quinta-feira, 28 de abril de 2016

“A donzela e o Gamo rei”

O peso dos teus olhos me desperta envolto ao breu da madruga,
Apenas a vela dando alguma iluminação ao quarto, mas teus olhos negros como a noite, visíveis em qualquer escuridão caem sobre mim, teu hálito quente anima minha boca, fazendo-a desejar a sua, o bufar do vento frio é um convite ao toque, entendo teu corpo apenas por você está perto de mim, e com a maestria de uma gata a pular os telhados noturnos, você senta em mim, faminta do meu corpo, minhas mãos tateiam o pequeno espaço entre nós buscando teu corpo, achando teus seios rígidos por trás da camisola, que logo são posto pra fora e a prova, o sabor do seu corpo é uma explosão na minha boca, suas mãos com uma força quase desumana me envolve me fazendo deitar, nada mais importa além de saborear você, de ser tocado e sentir sua boca rasgando meu pescoço, provo do teu corpo, recaí sobre o meu dando início a mais fabulosas das danças.
Teu corpo dançando em cima de mim que cede sendo partido em dois por meus braços, e logo tomo teu lugar de domínio, provando, arranhando, mordendo cada parte do seu ser, então encontro meu destino, uma fonte umedecida pela minha vontade de rasgar o teu ser, onde teu verdadeiro sabor jorrar como uma cascata, sorver teu sabor em um jogo lancinante que explode em mim com a tua euforia teu corpo pedindo o meu falo rijo, a tua boca buscando a minha, para consumar os nossos mundos paralelos, sendo jogados para uma outra realidade, outras eras, teu toque sendo um incentivo a minha submissão, me faço teu para desfrutar como bem desejar.
Teu corpo serpenteia pelo meu em subjugo desejado, sim sou teu, teu brinquedo, teu instrumento de prazer, teu escravo, teus olhos buscam o infinito em uma dança sonora entre nossos corpo, e como a mãe dos prazeres traz-me ao ninho dos teus braços, ao mundo com tua boca, aproximando-me a ti, e num esforço hercúleo prede-se a mim, e minhas mãos em um esforço quase que apocalíptico tenta nos tornar um só, então algo estremece minha alma um urro gutural como vindo de um outro plano de existência explode de você lhe tornando ensandecida, uma desvairada rasgando a madrugada que desfalece em mim, teu coração ainda no êxtase anima teus olhos buscando por meu sabor, pelo líquido vital aparado pela tua vulva, para que fecunde teus lábios com parte de mim como em teu ventre.
E por uma fração de milênios de segundo tudo é quietude, tudo é paz, apenas o som automático do bombear do líquido escalarte mostrar algum sinal de vida, o nosso cheiro incrustrado nas parede me desperta juntamente a luz efervescente do astro diurno que agora toma o lugar da senhora de prata, e nós não somos apenas mais dois mortais, você é a donzela do sacrifício, e eu candidato a gamo rei*, amostras físicas do deus e da deusa neste plano, teu com sorte, teu amante uma parte tua para a eternidade.

Nefilin Érostt
N.t referência ao livro as Brumas de Avalon*

sábado, 23 de abril de 2016

Tarefa de hoje : descrever o DONO.

Meu DONO é um homem justo, e que muito sabe o que faz.
Me guia, me ensina e me adestra.
Amo servi lo, pois sei que ele tem o melhor pra mim. As vezes fica horas me olhando, cada pedacinho que é só dele, é detalhadamente analisado.
Quando suas mãos firmes percorrem o meu corpo..ahhh sinto um êxtase indescritível. Me corrige, mas também me afaga quando ele acha que mereço... estou sempre pronta para atendê lo, é o que faço é a minha vida. Sempre faz tudo na medida certa (na medida DELE rsrs).
E a foto ? Ordem DELE , do meu Senhor DOM FA
Na coleira e pronta para Ele.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

{sou tua}

Sou tua, desde o epitélio até a alma...sou tua!
Em tua mão corretora me faço.
Me enlaço... me abro...
Me rasgo... me acabo...
E me refaço.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

A espera...

Suplico-te! Coma de mim e deixe que eu beba de ti, alimente- me com tua fome.
suplico-te! Deixe que eu te respire, aceite o meu mel..suplico-te, aceite! Permita que eu tenha o teu suor, teu cheiro...Sou tua escrava! tua fêmea! estou para as tuas vontades.
Receba este corpo que só a ti pertence, suplico-te receba para seu deleite!
Estou para os teus açoites.
Te preciso no meu âmago!
Te venero   
Saudações
   sublime female